Paraisópolis: seus Santos e demônios

O Cineb Solar realizou duas sessões em Paraisópolis este ano com a participação de famílias, crianças e adolescentes

Entristece saber que mais Silvas e Santos foram mortos! E vc já pensou nisso? Quantos Santos e Silvas? E por quê? Herança do nosso passado…. passado presente em cada preto, pobre, favelado das periferias pretas, pobres e faveladas desse Brasil pardo, mestiço, mulato e mameluco. “É som de preto, de favelado, mas quando toca ninguém fica parado”. Ironia do destino ou sintoma da nossa sociedade adoentada?  Uma comunidade que carrega de batismo o Paraiso em seu nome, viveu um inferno esse final de semana…  Jovens ocupando com seus corpos as ruas da comunidade que lhe pertence como uma das únicas formas de lazer e de expressão cultural para esses sujeitos que não são reconhecidos como portadores de direitos pelo estado.

Mais ironia ainda é ler em nossa Constituição, no artigo 277 a seguinte passagem: “É dever da família, da sociedade e do Estado assegurar à criança, ao adolescente e ao jovem, com absoluta prioridade, o direito à vida, à saúde, à alimentação, à educação, ao lazer, à profissionalização, à cultura, dignidade, ao respeito, a liberdade e a convivência familiar e comunitária, além de colocá-los a salvo de TODA negligência, discriminação, exploração, violência crueldade e opressão.”

É fundamental que ações de cultura, como o Cineb Solar, aconteçam em bairros como Paraisópolis. E o estado está sempre ausente

Apesar das garantias estabelecidas pela constituição o que podemos verificar é que esses moradores e moradoras das periferias são excluídos de qualquer possibilidade de exercer os direitos garantidos formalmente a todos os brasileiros.

COMO ASSIM??? COMO ASSIM???

Estamos falando de realidades tenebrosas: a falta de educação, do acesso a cultura e ao lazer e, nessa situação, falando também da violência, crueldade e opressão praticado pelo próprio poder público…  A política implementada na periferia é outra, o extermínio de jovens nos mostra a face mais obscura da violência às expressões culturais que de algum modo podem oferecer alguma resistência a unidimensionalidade.

Jovem precisa de opção de lazer e acesso à cultura.
Jovem: deixe a imaginação fluir!
Jovem: se expresse!
Jovem: se apaixone!
Jovem: aprende e conhece!
Jovem:  vive a vida que pulsa em seus atos!

Notícia triste… post triste… afinal o CineB Solar  está sempre muito próximo de jovens em situação de vulnerabilidade no Brasil, jovens com direitos apagados pelas diferenças sociais em nosso país.
O CineB Solar se solidariza com cada jovem que fez a sua passagem nessa cidade Paraiso…
AXÉ!

Cynthia Alario
Diretora da Brazucah Produções

Foto da capa: Yago Sales (Metrópoles)

2 comments

  1. Excelente comentário. A periferia precisa ter protagonismo! É projetos como o CineB Solar contribuem com outras possibilidades de lazer e cultura.

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.