JARDIM PANAMERICANO

Fotos de Vivian Szelpal

O Cine B transformou a última escola de latinha que existe em São Paulo, na comunidade Santo Expedito, num cinema. Os que pensam que todas estas escolas feitas estupidamente de lata (frio no inverno, quente no verão) foram completamente extintas, se engana.  “Nós construímos a nova aqui em frente, que é a EMEF Rogê Ferreira, e não deixamos o Kassab derrubar essa escola de latinha, que hoje oferece cursos extra-escolares para a nossa comunidade”, disse Vera Eunice Rodrigues da Silva, conhecida como Verinha, moradora da CDHU da comunidade Santo Expedito e coordenadora geral da Associação dos Trabalhadores Sem Terra das zonas Oeste e Noroeste.

Cine B lotado na comunidade de Santo Expedito
Cine B lotado na comunidade de Santo Expedito

A comunidade fica no Jardim Panamericano, zona noroeste de São Paulo. Ao lado da escola de latinha, um conjunto habitacional construído através de mutirões entre os próprios moradores, que há 15 anos se inscreveram no MST para conquistarem um lar. “Começamos a construir em 1996 e dois anos depois já concluímos. Aqui moram 256 famílias, 8 famílias por prédio e dois apartamentos por andares. Além de tudo isso, conseguimos a construção de um parque aqui na frente, que é o Pinheiro D’àgua. Somos chiques!”, disse Verinha.

A luta pelo parque veio da carência por espaço dos moradores dos apartamentos. O parque tem mirante, brinquedos para as crianças, ciclovias e muito verde. Tudo decidido entre os moradores e a prefeitura (época da gestão da prefeita Marta Suplicy).

Verinha na abertura do Cine B
Verinha, Vera Eunice Rodrigues da Silva, coordenadora geral da Associação dos Trabalhadores Sem Terra das zonas Oeste e Noroeste, na abertura do Cine B

Pela primeira vez o Cine B visita esta comunidade. Mas o projeto já esteve em outros bairros da região como Perus, Residencial Colina D’Oeste, Vila Nova Cachoeirinha e na sede da Associação dos Trabaradores Sem Terra das zonas Oeste e Noroeste, que fica na região da Barra Funda.

“O acesso a eventos culturais é difícil para os que vivem por aqui. O cinema mais próximos fica nos shoppings da Lapa, por isso para mim, O Cine B é um projeto de extrema importância”, disse Verinha.

Levando em conta que era um sábado, peguei o ônibus em frente ao Parque Água Branca, na Francisco Matarazzo e levei uma hora e uns quebradinhos para descer na frente do Rogê Ferreira. O Ônibus veio super lotado, ainda por cima. Em dia de semana, eu levaria muito mais tempo para percorrer os, aproximadamente, 20 quilômetros. Fica difícil ir ao cinema desse jeito, concordam?

"Levar cultura e lazer para toda a população ajuda a deixar nossa sociedade melhor e mais justa", diz Juvandia Moreira na vinheta do Cine B
"Levar cultura e lazer para toda a população ajuda a deixar nossa sociedade melhor e mais justa", diz Juvandia Moreira na vinheta do Cine B

OLHAR DESATENTO

Karina Gomes Tavares de Jesus é moradora da comunidade Xica Luiza, na zona noroeste. “Onde moro é aqueles bairros que o governo só se lembra em época de eleição. Somo carentes de tudo”, disse Karina.

Há pouco tempo a Prefeitura de São Paulo tentou remover a população que vive no local desde o início dos anos 90. “Cheguei lá em 91, vi os primeiros barracos serem construídos. Hoje não temos mais barracos, a população se organizou e demos nomes a todas as ruas. O governo chegou a nos intimar oficialmente, queriam dar 5 mil reais para cada família pra se mudar do lugar. O que faríamos com esse dinheiro? Com ajuda do Luiz Cláudio Marcolino e do Sindicato dos Bancários de São Paulo, Osasco e Região conseguimos o direito de ficar”, disse Karina, que foi acompanhada do marido David Almeida de Jesus na exibição porque quer o Cine B na sua comunidade. “Um projeto como o Cine B é fundamental para comunidade, mas também precisamos de estrutura para viver bem”, disse Karina.

Segundo ela a Prefeitura queria desalojar a comunidade porque o esgoto produzido na região está poluindo o córrego Ribeirão Vermelho, que deságua no Pico do Jaraguá. “Mas não somos os únicos culpados dessa situação, o córrego também recebe água das comunidade Alex Jafé, Mauro de Araújo e Jerimanduba”, disse David.

Karina Gomes Tavares de Jesus com seu marido David Almeida de Jesus
Karina Gomes Tavares de Jesus com seu marido David Almeida de Jesus, moradores da comunidade da comunidade Xica Luiza

CLICKS

Cine B no Jardim Panamericano
Cine B no Jardim Panamericano
"Para nós da Brazucah é fundamental a formação de público para o audiovisual no Brasil, levar o cinema aonda ele não costuma chegar", diz Cynthia Alario na vinheta do Cine B
"Para nós da Brazucah é fundamental a formação de público para o audiovisual no Brasil, levar o cinema aonda ele não costuma chegar", diz Cynthia Alario na vinheta do Cine B
“Gosto muito de viver aqui”, disse José Gonçalves Santana, um dos primeiros moradores da comunidade Santo Expedito, que trouxe no Cine B seu filho, Francisco Duarte Santana, de 11 anos e o sobrinho Rhian de Sousa Valadares, de 8
“Gosto muito de viver aqui”, disse José Gonçalves Santana, um dos primeiros moradores da comunidade Santo Expedito, que trouxe no Cine B seu filho, Francisco Duarte Santana, de 11 anos e o sobrinho Rhian de Sousa Valadares, de 8
“Hoje nós tinhamos nos programado para ir ao cinema, mas resolvemos vir pra cá. Saímos ganhandio, até a pipoca veio de graça”, disse Fabio Aparecido de Jesus e Fernanda Lourenço, moradores do Residencial Colinas D’Oeste
“Hoje nós tinhamos nos programado para ir ao cinema, mas resolvemos vir pra cá. Saímos ganhandio, até a pipoca veio de graça”, disse Fabio Aparecido de Jesus e Fernanda Lourenço, moradores do Residencial Colinas D’Oeste
Cine B transformou a escola de latinha num cinema!
Cine B transformou a escola de latinha num cinema!
Moradoras do Colinas Isabel Moreria Alves, Ana Maria de Oliveira, Sirlene Keila
Moradoras do Colinas Isabel Moreria Alves, Ana Maria de Oliveira, Sirlene Keila
Verinha e Cidálio Vieira Santos, da Brazucah Produções, fazem a abertura do Cine B no Jardim Panamericano, zona noroeste de São Paulo
Verinha e Cidálio Vieira Santos, da Brazucah Produções, fazem a abertura do Cine B no Jardim Panamericano, zona noroeste de São Paulo
Fátima Vieira Barros, Maria Antônia Gonçalves Soares e Maria Lemos Sampaio, Adonias Batista e Carmem Batista
Fátima Vieira Barros, Maria Antônia Gonçalves Soares e Maria Lemos Sampaio, Adonias Batista e Carmem Batista
Outra moradora da CDHU, a corintiana Priscila Leandro da Silva, que tirou foto comigo, já que as amigas tímidas fugiram rapidinho rss
Outra moradora da CDHU, a corintiana Priscila Leandro da Silva, que tirou foto comigo, já que as amigas tímidas fugiram rapidinho rss
Foto do CDHU da comunidade Santo Expedito
Foto do CDHU da comunidade Santo Expedito
Cena do criativo curta-metragem O astista contra o caba do mal, de Halder Gomes
Cena do criativo curta-metragem O astista contra o caba do mal, de Halder Gomes
Os sortudos desta noite de exibição que levaram para casa diversos brindes!
Os sortudos desta noite de exibição que levaram para casa diversos brindes!

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.