Condomínio Dom Luciano recebe pela primeira vez o CineB Solar na janela

Residencial localizado na Zona Leste de São Paulo guarda em sua história a luta pelo direito à moradia. Exibição de curtas-metragens nacionais busca diminuir a distância entre a comunidade e o acesso as salas de cinema, agravada pela pandemia.

Projeto CineB Solar na janela no estacionamento do condomínio Dom Luciano

O condomínio Dom Luciano foi construído pelas mãos de seus próprios moradores. Fruto da luta por moradia iniciada ainda na década de 1980, ele foi erguido através de mutirões na área na Fazenda da Juta, hoje bairro pertencente ao distrito de Sapopemba, zona leste da capital paulista. Os moradores da região conseguiram o direito de construir suas casas a 22 anos atrás, depois de décadas de ocupação e mobilização. Foram tempos difíceis tiveram fim com a conquista de seus tetos. “Tanto que nessa área que estamos foi feito o segundo mutirão mais antigo aqui da Fazenda da Juta”, aponta orgulhoso o seu Laurindo Delmiro Gonçalves (66), morador antigo da zona leste da capital paulista, e participante ativo dessa conquista. A animada dona Maria Gorete Cruz dos Santos (67) foi uma das primeiras moradoras do condomínio. “Há vinte anos que eu moro aqui. Mudei para cá no ano 2000. Sempre pedi a Deus meu cantinho pra sair do aluguel, e Deus me deu”, agradece.

Dona Gorete (67) durante a exibição dos filmes

Foi esse condomínio cheio de histórias que recebeu pela primeira vez a visita do CineB Solar na janela, projeto itinerante de exibição de filmes nacionais realizado pelo Sindicato dos Bancários da cidade de São Paulo, Osasco e região em parceria com a Brazucah Produções. As exibições aconteceram na sexta-feira (26) e no sábado (27) no estacionamento dos blocos A e B do condomínio. Cerca de 90 famílias acompanharam a exibição de curtas metragens nacionais direto das janelas de seus apartamentos nos dois dias de evento.
As exibições contaram com as presenças do síndico geral do condomínio Wilton Douglas de Souza Camargo (33), da subsíndica do bloco B Gisele Aparecida de Carvalho (37), além de síndicos dos prédios vizinhos, interessados em expandir o projeto para seus condomínios.

Moradores do bloco A assistiram a exibição de Curtas-metragens na sexta-feira (26)

A vereadora Juliana Cardoso (PT-SP) também esteve presente nas duas sessões. Juliana nasceu e cresceu na região de Sapopemba, e se notabilizou por sua atuação na comunidade através da participação nos movimentos sociais e nas Comunidades Eclesiais de Base (CEB) da região. Ela reforçou a importância das exibições como uma oportunidade para os moradores que nunca tiveram acesso as salas de cinema. “Por incrível que pareça tem muitos jovens, crianças e idosos que nunca viram um cinema. E para quem está isolado, é muito difícil não ter interação. E o cinema na janela traz um pouco dessa interação, principalmente para a terceira idade”, explica.

A vereadora Juliana Cardoso (PT-SP) marcando presença nos dois dias de exibições

Wilton Douglas, síndico geral, destacou a interação dos moradores e a felicidade de receber o projeto na porta da sua casa. Ele mesmo está a mais de um ano longe das salas de cinema e ficou animado com as exibições. “Desde que começou a pandemia a gente não assiste nada, a gente está se resguardando, resguardando a família, e o projeto vem aí para matar a saudade que a gente tem do cinema”, elogia.

Acesso ao cinema
O cinema mais próximo do Dom Luciano fica no shopping Aricanduva, a 7 quilômetros de distância. Para chegar via transporte público, os moradores demoram mais de 40 minutos e têm que pegar ao menos duas conduções. A pandemia dificultou ainda mais o acesso às poucas opções existentes na região, com a suspensão das atividades da Fábrica de Cultura de Sapopemba, importante polo de atividades culturais no bairro. Gisele Camargo, subsíndica do bloco B, destacou a importância das projeções realizadas no condomínio, em especial para os moradores idosos, que com o tempo deixaram de ter as salas de exibição como opção de lazer e cultura. “Temos moradores que estão a mais de 20 anos sem ir ao cinema”, relata a síndica. “As crianças também, que com essa pandemia estão fora da Fábrica de Cultura, que era onde elas tinham acesso ao cinema”, aponta.

Gisele (37) e Douglas (33) são os síndicos responsáveis pelos blocos A e B do condomínio

Lucas Kings (20) é morador e a quatro anos não assisti um filme na sala escura. Ele estuda fotografia e vídeo na Fábrica de Cultura de Sapopemba, hoje fechada. O estudante participou da produção de um curta metragem desenvolvido nos cursos oferecidos pelo equipamento municipal, e ficou feliz em ver seu condomínio receber o projeto. Com um cinema montado dentro do estacionamento do seu prédio, ele pôde vislumbrar a possibilidade da exibição de seus trabalhos em uma grande tela. “Seria bem interessante. Eu acho que eu ficaria bem animado de ter o curta sendo apresentado para várias pessoas”, explica.

Lucas Kings e Gisele durante a entrega dos kits de pipoca

Reinvenção
Em 2021 o CineB Solar continua seu trabalho de difusão do cinema brasileiro para além dos bairros centrais da cidade de São Paulo. O projeto, coordenado por Cidálio Vieira Santos, há 14 anos atua na democratização do cinema e na divulgação das produções nacionais. Mesmo com o longo período de atividade, o projeto foi obrigado a se adaptar aos novos tempos. “No período da pandemia nós reinventamos o projeto trazendo o cinema para os condomínios. A ideia é que as pessoas possam assistir os filmes pela janela de seus apartamentos”, explica.

Cidálio Vieira Santos, coordenador do CIneB Solar na janela

Adaptada as novas condições sanitárias e aos protocolos de segurança adotados para o controle da pandemia do Covid-19, a exibição foi organizada em espaço aberto. A tela para a projeção foi instalada no estacionamento dos blocos residenciais, em posição central privilegiada, possibilitando boa visibilidade aos moradores do condomínio. A tradicional distribuição de pipoca também teve que ser adaptada a essa nova condição: agora os moradores recebem saquinhos personalizados do CineB Solar e uma porção de milho para serem preparados em suas próprias residências. Todas essas ações possibilitaram uma exibição segura, guardando o distanciamento social entre os moradores e evitando aglomerações, fundamental nos dias de hoje. Os moradores responderam positivamente a nova proposta. “As sessões desse final de semana foram ótimas. Os moradores participaram e se divertiram durante a exibição dos curtas metragens, em segurança. Já temos data para voltar para essa região”, comentou Cidálio.
O próximo encontro do projeto CineB Solar com os moradores da Fazenda da Juta vai acontecer no dia 13 de março, as 19 horas, no condomínio Novo Milenium. Essa vai ser mais uma oportunidade para que os moradores da região tenham acesso as obras produzidas por cineastas brasileiros bem pertinho de suas casas, através de suas janelas.

Sobre o CineB Solar
Criado em 2007 pelo Sindicato dos Bancários de São Paulo, Osasco e região, o CineB passou a se chamar CineB Solar em 2018, quando começou a circular com uma van que gera, através de placas solares, a própria energia consumida no evento. Já atingiu um público superior a 71 mil espectadores, 160 bairros percorridos, em mais de 550 sessões gratuitas realizadas em comunidades e universidades de São Paulo. Nesse momento de isolamento, para evitar aglomerações, se reinventaram e prepararam novos projetos: CineB on-line, CineB Solar na Janela e CineB Autorama, ações para que todos possam ficar em casa e se divertir com uma sessão de cinema.

 

Texto: Eduardo Viné Boldt

Fotos: Eduardo Viné Boldt/CineB/Assessoria Juliana Cardoso

6 comments

  1. Foi bem legal e divertido espero que possa ter novamente aqui no condomínio

  2. Foi muito bom a presença do cinema aqui no condomínio os moradores adoraram volte sempre

  3. Foi MUITO bom, volta sempre para trazer alegria para todos os condomínios.

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.