“Juta! Juta! Juta! A vitória vem com a luta!”

CineB Solar na janela apresentou na sexta (27) curtas metragens brasileiros aos moradores do bloco D do condomínio Dom Luciano.

 

Texto e fotos: Eduardo Viné Boldt

 

Os moradores da Fazenda da Juta mais uma vez receberam o CineB Solar na Janela. A sessão de cinema aconteceu na sexta (27). Dessa vez o projeto exibiu curtas metragens nacionais aos condôminos do Bloco D do condomínio Dom Luciano.

São quatro blocos que juntos somam 160 apartamentos e quase 500 moradores. Os blocos A, B já receberam sessões do projeto, com ótima participação dos condôminos. Apresentações que trouxeram um alívio aos moradores em um momento tão complicado como o atual. “Nesse um ano e meio muitas famílias ficaram em casa, não saíram, não tiveram diversão, nada! Essa questão do cinema traz alguma diversão para o condomínio”, aponta a subsíndica do bloco D Shirlei Zipf Martins.

A subsíndica Shirlei Zipf Martins

 

Luta

A região é marcada por histórias de resistência e cooperação entre os moradores. “Aqui na Juta, desde quando entramos na terra e ocupamos para construir os apartamentos através de mutirões, quando a polícia chegava, a gente gritava da seguinte forma: Juta! Juta! Juta! A vitória vem com a luta!” explica o assessor parlamentar Luiz Ribeiro da Rocha. Morador da Juta desde a época das ocupações, Luiz exalta o projeto CineB Solar na Janela por possibilitar o contato a obras do cinema nacional para uma parcela da população que tem pouca oportunidade de acesso a equipamentos culturais.

O assessor parlamentar Luiz Ribeiro da Rocha, morador da fazenda Juta.

Luta está na ordem do dia dos moradores da região. “A gente brigou para conquistar o terreno, brigou para construir o prédio da forma que a gente queria. Hoje a gente luta para manter o condomínio”, ressalta a subsíndica Shirlei.

“O CineB é muito importante para nós para mostrar o cinema para as pessoas que não vão a mais de 30, 40 anos por falta de oportunidade, muitas vezes para não gastar um dinheirinho”, comenta Luiz Rocha. O cinema mais próximo do condomínio fica no shopping Aricanduva. São necessárias duas conduções para chegar até o local.

 

De longe

O morador Ivan Freitas Ramos (62) também aponta a distância como um impeditivo para assistir a um bom filme. Isso que distância não é problema para o serralheiro gráfico que há 41 anos chegou na capital paulista.

O morador Ivan Freitas Ramos recebendo o seu kit de pipocas para a sessão do CineB Solar na Janela

Baianos de Iaçu, Ivan lembra que ficou “abobado” com a cidade quando desceu do ônibus no dia 9 de julho de 1980. “Eu nasci e me criei na roça. Chegar numa cidade dessa a gente fica marcado. Não tem como esquecer!”, relembra o morador.

Ivan fala que já trabalhou em quase tudo na capital paulista. “Menos de feirante”, pontua. Ele mora na região da fazenda da Juta há 23 anos, desde o início do movimento. Mesmo tempo que não vai ao cinema. Com sua esposa, pôde acompanhar a exibição dos filmes da porta do seu apartamento.

 

Curtas exibidos na sessão

Gato the cat – o gato sem botas (2019) – curta de animação produzido pelo estúdio Paulares, da cineasta mineira Paula de Abreu. A obra narra a aventura de um gatinho de rua que se une a uma bota falante para escapar de uma família de vilões viajantes do tempo-espaço.

Um café com meu avô Durval (2021) – curta foi realizado durante a pandemia pela cineasta Anna Muylaert. A obra tem um caráter pessoal e afetivo, que envolve a relação da diretora com seu avô e uma reflexão sobre a produção audiovisual em tempos de superexposição nas redes sociais.

Umbrella (2019) – de Helena Hilário e Mario Pece. O filme é inspirado em eventos reais da vida da própria diretora. O curta segue a história de um garoto que vive em orfanato e sonha em ter um guarda-chuva amarelo, objeto que remete a memória de seu pai.

A Invenções de Akins (2018) de Ulisver Silva – curta infantil que apresenta o jovem Akins, um menino que elabora seus próprios brinquedos. Inspirado por um programa de TV, ele resolve construir sozinho uma máquina de Rube Goldberg, feita com sucatas e material disponível. Também com forte inspiração pessoal, o filme destaca história de autoestima do pequeno garoto.

 

Sobre o CineB Solar
Criado em 2007 pelo Sindicato dos Bancários de São Paulo, Osasco e região, o CineB passou a se chamar CineB Solar em 2018, quando passou a circular com uma van que gera, através de placas solares, a própria energia consumida no evento. Já atingiu um público superior a 75 mil espectadores, 160 bairros percorridos, em mais de 580 sessões gratuitas realizadas em comunidades e universidades de São Paulo. Nesse momento de isolamento, para evitar aglomerações, se reinventaram e prepararam novos projetos: CineB on-line, CineB Solar na Janela e CineB Autorama, ações para que todos possam ficar em casa e se divertir com uma sessão de cinema.

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.