Projeto de democratização do acesso ao cinema brasileiro

Últimas Notícias
Você está aqui: Capa / aconteceu no CineB / O maestro do Canão na Cracolândia

O maestro do Canão na Cracolândia

IMG_9322

Texto por Carlos Rizzo

Fotos por Carlos Rizzo e Danilo Ramos

Parceria entre Cine B e Prefeitura de São Paulo leva filme Sabotage – O maestro do Canão para a região conhecida como Cracolândia, em sessão ao ar livre na última quinta, 2 de julho

Mais uma vez o Cine B foi protagonista de um momento histórico na cidade de São Paulo. Em parceria com a Secretaria Municipal de Direitos Humanos e Cidadania, e com os produtores do filme Sabotage – o maestro do Canão, o projeto organizou uma sessão ao ar livre na última quinta-feira, 2/7, no centro de São Paulo, na região conhecida como Cracolândia. A atividade foi possível a partir do convite do secretário de Direitos Humanos e Cidadania e ex-senador Eduardo Suplicy, e contou com a participação de Sabotinha, filho do artista, do diretor do filme, Ivan 13P, e do produtor Denis Feijão. Também marcaram presença os diretores executivos da Brazucah Produções Cynthia Alário e Marco Ribeiro da Costa, Marcelo Gonçalves, integrante da executiva do Sindicato dos Bancários de São Paulo, Osasco e Região e o secretário-adjunto de Direitos Humanos e Cidadania, Rogério Sottili.

Centenas de pessoas acompanharam a exibição do filme Sabotage na região conhecida como Cracolândia (créditos: Danilo Ramos)

O documentário apresenta a vida e a obra do lendário rapper e ator Mauro Mateus dos Santos, o Sabotage, morador da Zona Sul de São Paulo, que ficou conhecido no país inteiro pela sua singular poesia e pela participação nos filmes O invasor e Carandiru. Com entrevistas de familiares, amigos e artistas que conviveram com Sabotage até sua morte, em 2003, o filme apresenta cenas de arquivo da vida do rapper, onde ele fala, de forma aberta e espontânea, sobre a infância, a desigualdade, o descaso, a solidariedade e sua vida como músico e ator.

Suplicy e Cidálio, ao lado do cartaz do filme (créditos: Danilo Ramos)

Suplicy, Secretário de Direitos Humanos e Cidadania de São Paulo na abertura da sessão, na alameda Dino Bueno (créditos: Danilo Ramos)

A sessão ao ar livre, comandada por Cidálio Vieira Santos, coordenador do Cine B, aconteceu na alameda Dino Bueno, próximo à rua Helvetia, na região da Luz, no centro da capital, onde a prefeitura de São Paulo implantou o programa De Braços Abertos, que tem como principal objetivo o resgate social dos usuários de crack por meio de uma intervenção não violenta, respeitando-os como cidadãos com direitos, e oferecendo trabalho remunerado, alimentação e moradia. E que segundo informações do site da prefeitura, diminuiu o número de usuários em 80%. “Nos oito anos de existência do Cine B, o projeto esteve em diversas regiões, levando o cinema brasileiro para praças, ruas, entidades sociais, salões de igreja, debaixo de viaduto, escolas e estacionamentos. Agora, pela primeira vez, chegamos na Luz, e podemos contribuir com o programa De Braços Abertos”, comemora Cidálio.

Cidalio Vieira Santos, coordenador do CINEB, fala sobre a iniciativa de levar cinema à Cracolândia

Centenas de pessoas circulavam pela alameda enquanto o filme era exibido. Mas também um público cativo, sentado nas cadeiras, acompanhou o documentário do início ao fim. O casal Katia da Silva, e Luciano Aparecido Reis foi um deles. Luciano conta que é um dos cerca de 450 beneficiários do Projeto de Braços Abertos há um ano e seis meses e participa de todas as atividades culturais organizadas na região. Eles explicaram que desde que entraram no projeto passaram a morar em um dos hotéis da região, conseguiram trabalho e diminuíram o consumo da droga. Kátia conta que até fará um curso de cabeleireiro para mudar definitivamente de vida. “Eu agradeço a atenção e o cuidado que estão tendo com a gente”, elogia. Sobre o filme, Luciano conta que a iniciativa de passar uma sessão na rua é “boa porque traz muita gente para se envolver com cultura”. Edson Rodrigues, outro participante do programa ligado no filme lembrou que a história de Sabotage é muito comum às pessoas daquela região. “É uma inspiração”.

Casal Kátia da Silva e Luciano Aparecido Reis prestigiaram a pipoca, oferecida em toda a sessão do Cine B (créditos: Carlos Rizzo)

Essa foi a aposta da prefeitura ao realizar a sessão, explicou o próprio Suplicy. “Os moradores dessa região precisam conhecer a história desse grande artista de São Paulo, exemplo de vida para muita gente até hoje”. Para Maria Angelica Comis, assessora de política de drogas da Secretaria de Direitos Humanos e Cidadania e coordenadora do Programa De Braços Abertos, a sessão de cinema foi uma ação espetacular, que conversa com a realidade local. “Temos que fazer outras vezes, trazer cultura de maneira que as pessoas possam participar. Temos muitos artistas que com intervenções como essa acabam relembrando suas histórias de vida, seus potenciais”, acredita.

Sabotinha, os produtores do filme, o diretor Ivan 13P, Suplicy, o secretário-adjunto, Rogério Sottili e Cidálio (créditos: Danilo Ramos)

Júlio Dojcsar, coordenador da Casa Rodante, projeto-piloto artístico que circula como um atelier móvel – um veículo adaptado – nas ruas da região, também vê muito potencial. “A cultura está aqui, presente, ela precisa aflorar. Nossa intervenção com literatura, com os lambe-lambes, trazem os caras para perto, mas o cinema tem o poder do debate”, reflete.

Marcelo Gonçalves, diretor de Cultura do Sindicato dos Bancários de São Paulo, Osasco e Região, ao lado de Cidálio (créditos: Carlos Rizzo)

O diretor Ivan 13P que conheceu Sabotage e registrou muitos momentos da vida do artista comemora a boa recepção das ruas ao filme. “O Sabota [como ele chama o artista] aprovaria levar o filme para as comunidades, levar a mensagem a esse público”. Ivan elogiou a estrutura oferecida pelo Cine B, “é incrível, a melhor exibição foi lá no Canão, onde pegamos o depoimento dele [Sabotage]”, lembra. O Cine B realizou, até o momento, três sessões do documentário, o lançamento na avenida Paulista [veja a reportagem aqui], e uma sessão ao ar livre no Canão [veja aqui]. Ivan adianta que até o final do ano o filme será lançado em DVD, depois de já ter passado uma temporada nas salas de cinema. “Agora estamos iniciando um circuito internacional, encaixando o filme em festivais”, termina.

Sabotinha ao lado de um dos moradores da região (créditos: Carlos Rizzo)

Wanderson Rocha Mateus dos Santos, Sabotinha, confessa que é uma honra poder acompanhar uma sessão ali na Cracolândia. “Meu pai saiu do rap para o cinema e tenho certeza que seu filme vai inspirar muita gente”. Gonçalves, que também é Diretor de Cultura do Sindicato dos Bancários comentou que Sabotage tem tudo a ver com a Luz e os moradores de rua. “É fundamental participar dessas ações, olhar para essa população e mostrar alternativas”, avalia.

Fábio Batista dos Santos improvisou, ao final da sessão, um rap em homenagem a Sabotage (créditos: Carlos Rizzo)

De fato, Sabotage liberou o espírito rapper de muitos dos presentes, que cantaram junto com o ídolo em vários momentos da exibição. Dois artistas, Meia-Noite e Fábio Bastista dos Santos cantaram em homenagem ao artista. Ao final da sessão, Suplicy satisfeito com o resultado da atividade feita para levar cultura e lazer para os moradores da região, ligou ao prefeito Fernando Haddad elogiando a organização da sessão, a presença dos produtores e diretor do filme e a participação do Sindicato dos Bancários, que segundo ele foram fundamentais para o sucesso do evento.

Um retrato fiel da Cracolândia, mas com um brilho diferente que a sessão de cinema trouxe para o local (créditos: Danilo Ramos)

Além da Secretaria Municipal de Direitos Humanos e Cidadania a exibição contou com o apoio da Secretaria Municipal do Desenvolvimento, Trabalho e Empreendedorismo, Secretaria Municipal de Assistência e Desenvolvimento Social, Secretaria Municipal de Serviços, Secretaria Municipal de Saúde e Secretaria Municipal de Segurança Urbana. Agradecemos também ao apoio da Coordenação de Promoção do Direito à Cidade, que também ajudou na organização da exibição do filme na região.

CLIQUE AQUI PARA VER MAIS FOTOS DA SESSÃO

O CINEB é um circuito itinerante de cinema realizado pelo Sindicato dos Bancários de São Paulo, Osasco e Região e pela Brazucah Produções. Desde 2007, o já atingiu um público superior a 40 mil espectadores em mais de 350 sessões gratuitas realizadas em comunidades e universidades de São Paulo. A iniciativa busca democratizar o acesso ao cinema nacional e divulgar os filmes produzidos no Brasil. Já foram exibidos na tela do CINEB mais de 75 longas-metragens e 50 curtas-metragens, além da realização de pré-estreias exclusivas. Conta com o apoio de mídia da edição brasileira do Le Monde Diplomatique.

Sobre admin

Deixe um comentário

Seu e-mail não será publicado. Campos necessários *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>