Projeto de democratização do acesso ao cinema brasileiro

Últimas Notícias
Você está aqui: Capa / aconteceu no CineB / Diretor participa de debate na Etec Heliópolis

Diretor participa de debate na Etec Heliópolis

DSC_0822

O projeto CineB esteve na Etec Heliópolis na última terça-feira, 27/6, para exibir o documentário “Nega Que É Nega Não Nega Ser Nega Não”, do músico e cineasta Fábio Nunez que participou de um bate papo com os alunos.

Na última terça-feira à tarde, 27/6, enquanto o presidente Temer entrava em cadeia nacional para tentar justificar o injustificável, num trôpego pronunciamento à nação diante da inédita acusação de corrupção feita pela Procuradoria Geral da República a um presidente em exercício, os alunos de Informática e Nutrição da Escola Técnica Estadual (Etec) Heliópolis passavam uma tarde totalmente diferente da rotina de um colégio técnico.

Alunos de Informática e Nutrição da ETEC Heliópolis antes de entrar no auditório da escola.

A Etec, localizada na região Sudeste de São Paulo, recebeu, pela primeira vez, o Projeto CineB. A escola integra um complexo de educação ao lado do Centro Educacional Unificado (CEU) Heliópolis e o Instituto Bacarelli – um dos mais importantes projetos de educação musical do país, que inspirou o filme “Tudo que Aprendemos Juntos”, exibido ano passado pelo CineB.

Alunos do Grêmio da ETEC exibem jornal Le Munde Diplomatique Brasil, parceiro do CineB.

Em cartaz, o documentário “Nega Que É Nega Não Nega Ser Nega Não”, do diretor e músico Fábio Nunez. O filme, inspirado na música de mesmo nome do próprio Fábio Nunez e Jacson Matos, apresenta a pluralidade e a força do universo negro feminino. Mulheres de todos os segmentos sociais e profissionais, referência para futuras gerações e grandes exemplos de resistência e luta contra os persistentes processos de machismo, racismo e exclusão deram seus depoimentos sobre suas trajetórias de vida, o pensam e como vêem os processos de exclusão e racismo no Brasil.

Casa cheia para acompanhar o filme e o debate com o diretor do documentário.

O próprio diretor esteve na Etec e participou, ao final da exibição do filme, de um debate com os alunos. Ele conta que fez o filme a partir das gravações do videoclipe da música “Nega Que É Nega Não Nega Ser Nega Não”, lançada em 2009. “Em 2015, a música recebeu um novo arranjo e a voz da rapper Cris do grupo SNJ, então resolvemos fazer um videoclipe e convidamos mulheres negras com histórias lindas, e eu quis fazer o making off do clipping com o depoimento dessas mulheres. Ficou um trabalho tão denso, tão rico, que acabou virando um documentário, que terminamos antes do clipe”, explica.

No debate: o coordenador do CineB Cidálio Vieira Santos; o músico e diretor do documentário Fábio Nuniz; a jornalista Clarissa Tatyer e o professor e coordenador de Ensino Média da Etec Francisco Fagner.

O filme foi lançado no final de 2015 numa única sessão no Itaú Cultural, por conta das atividades do mês de Consciência Negra e desde então vem circulando nos circuitos alternativos do país. Elogiado pela crítica e pelo público, o documentário será exibido em cinco sessões no CineB. A primeira delas aconteceu na Etec Heliópolis. As outras ainda serão agendadas e quem tiver interesse é só acompanhar a programação do CineB pelo blog.

Isac, aluno da Etec, faz uma reflexão sobre o racismo velado na sociedade brasileira. "O filme mudou meu ponto de vista".

Para o professor de língua portuguesa e coordenador do ensino médio da Etec, Francisco Fagner, o filme selecionado para exibir na escola é muito pertinente. “O preconceito e o racismo precisam ser debatidos na escola”, comenta. Ele conta que conheceu o CineB através dos trabalhos desenvolvidos pela Brazucah Produções na Etec nos anos anteriores. “Quando vi que o CineB também era um projeto da Brazucah, entrei em contato para que pudesse trazer o projeto para a escola. “O cinema encanta os alunos”, finaliza.

A jornalista Clarisse Tatyer, que trabalhou na produção do documentário: "apesar do enorme preconceito, estamos conquistando espaço".

Após a exibição do filme, Cidálio Vieira Santos, coordenador do CineB, comandou, por cerca de uma hora, um bate papo entre o diretor Fabio Nunez e os alunos da Etec. Também participaram da conversa o professor Fagner e a jornalista Clarice Tatyer que integrou a produção do documentário.

Nunez: "é uma luta constante, mas temos que fazer o bom combate em todas as áreas".

Para Isabela da Silva Carvalho, aluna do 3º ano de Nutrição, o documentário consegue abordar diversas temáticas que fazem parte das lutas do movimento negro “e isso é importante para mim que sou negra e estou na adolescência”. Ela conta que se viu na mesma situação de uma das personagens do filme que “por um lado não é considerada negra pelos negros e por outro não é considerada branca pelo brancos. Eu sou negra e tenho orgulho disso”, declarou.


Além dos alunos da Etec, estava presente à sessão, o aposentado Eduardo José Moreira, morador do Parque Erasmo, em Santo André, e integrante da Pastoral do Negro. Ele conta que soube da sessão pela TVT no dia anterior [veja aqui, a partir dos 35'45"], se interessou e foi conferir. “O filme é ótimo e o debate valeu a pena. É muito bom ver esse tipo de atividade, porque o racismo vence quando não se conhece a sua história. Por isso acho importante as referências, como as que vimos no filme”, explicou.

A aluna de Nutrição Isabela: "importante para mim que sou negra e estou na adolescência"

Ao final da sessão foram sorteados livros doados pela ONG Eh Aqui, uma parceira do Cine B que funciona como uma facilitadora na doação de livros, visando democratizar o acesso à cultura. Também foram distribuídos exemplares do jornal Le Monde Diplomatique, outro parceiro do projeto. O CineB agradece também todo os professores que acompanharam a atividade na Etec.

Até a próxima sessão!

O CineB é um circuito itinerante de cinema realizado pelo Sindicato dos Bancários de São Paulo, Osasco e Região e pela Brazucah Produções. Desde 2007, o já atingiu um público superior a 56 mil espectadores em mais de 430 sessões gratuitas realizadas em comunidades de São Paulo. A iniciativa busca democratizar o acesso ao cinema nacional e divulgar os filmes produzidos no Brasil. Foram exibidos na tela do CineB mais de 100 longas-metragens e 69 curtas-metragens, além da realização de pré-estreias exclusivas.

 

 

 

Sobre admin

Deixe um comentário

Seu e-mail não será publicado. Campos necessários *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>