Vargem Grande recebe “Doméstica”

Um dos bairros mais populosos e carentes da cidade de São Paulo, Vargem Grande, localizado na região de Parelheiros, Zona Sul, recebeu, no último sábado, 16/9 o projeto CineB para conferir “Doméstica”, documentário de Gabriel Mascaro.

Vargem Grande é um bairro da região de Parelheiros, Zona Sul de São Paulo, que fica dentro de uma cratera, uma das seis que existem no Brasil, criada por impacto de um meteoro há mais de 5 milhões de anos. Ali, as ruas são, na sua maioria, de terra e seus 70 mil habitantes têm acesso a poucos serviços públicos. Uma UBS, duas escolas municipais, três escolas estaduais e um posto policial são tudo que o bairro possui, mesmo tendo uma população maior que Tatuapé possui. E parte deles, construído pelos próprios moradores. Nenhum banco ou agência de correio até agora. E nenhum serviço de cultura.

O público adora a pipoca do CineB.

O bairro tem um povo batalhador que acorda cedo, muito cedo, e saí para trabalhar com o início do funcionamento das linhas de transporte coletivo, às 3h30 e retorna, invariavelmente, por volta das 22-23h. Um “bairro-dormitório”, segundo seus moradores. Foi ali na rua Arueira, 39, num grande salão comercial cedido pelo Seu Luis, um comerciante local apaixonado pelo bairro, que o CineB esteve pela quarta vez com a mesma estrutura de um cinema.
O pedido da sessão foi feito por Francesca Andrade Gomes, assistente social e funcionária da Secretaria de Saúde da Prefeitura de São Paulo, que conhece o CineB desde sua criação, há dez anos e articulou o espaço e mobilizou a comunidade. Ela conta que o Sindicato dos Bancários de São Paulo, Osasco e Região é um grande parceiro das lutas da comunidade na região. “O primeiro serviço bancário da região de Parelheiros surgiu através da Bancredi e do Sindicato dos Bancários. A partir daí que veio o Bradesco do centro de Parelheiros e depois o Banco do Brasil”, explica.

Sempre unidos, os cinco amigos foram conferir a sessão do CineB.

Francesca lembra que o CineB já realizou quatro sessões em Vargem Grande. A primeira delas aconteceu em 2010 no Olhar Local Capacitação, espaço criado por meio de parceria entre o Sindicato dos Bancários, Bancredi e Fundação do Banco do Brasil. As outras duas sessões aconteceram na Escola Municipal de Ensino Fundamental (EMEF) Vargem Grande e na Escola Estadual (EE) Condomínio Vargem Grande II.

Maria Cleonice Fernandes Maia (Cleo), Cidálio Vieira Santos, coordenador do CineB e Francesca Andrade Gomes.

Foi a quarta exibição do documentário “Doméstica”, de Gabriel Mascaro. O filme, de 2012, é um registro do cotidiano do trabalho doméstico a partir do registro feito por sete adolescentes, que gravaram, por uma semana, empregadas domésticas de suas casas. Eles entregaram o material bruto para o diretor que montou um filme com essas imagens. Entre o choque da intimidade, as relações de poder e a performance do cotidiano, o documentário lança um olhar contemporâneo sobre o trabalho doméstico no ambiente familiar e se transforma num potente ensaio sobre afeto e trabalho. Antes do longa, foi exibido o premiado curta-metragem “O Troco”, de André Rolim, que trata com humor um situação em que os usuários dão “o troco” em uma empresa de serviço de telemarketing.

Domésticas na vida real, moradoras foram presenteadas com pano de prato do CineB.

Ao final da sessão, o público elogiou o projeto e o documentário. A aposentada Josefa Damiana Ribeiro, moradora de Vargem Grande há 26 anos, “achou legal” a sessão. Ela lembra que foi por um período empregada doméstica e trabalhou em várias casas. Depois foi secretária de dentista. “Não é bom ser doméstica. Tem que se virar em mil, limpar, cozinhar, lavar e passar. É cansativo”, lembra. Para ela a “realidade é um pouco diferente do filme quando elas falam que parecem ser membros das famílias que trabalham, mas não é bem assim, sempre tem a separação, cada um no seu canto”, recorda.


A família Carneiro estava em grande número na sessão: sete pessoas. Josué Carneiro, que é pastor em Vargem Grande explica que a região é carente de cultura, por isso trouxe a família toda. “Não conhecia o projeto, mas todos nós gostamos. Não tinha essa visão da empregada doméstica. O filme fortalece esse lado profissional, dá valor”, complementa.

Até a próxima sessão!

O CineB é um circuito itinerante de cinema realizado pelo Sindicato dos Bancários de São Paulo, Osasco e Região e pela Brazucah Produções. Desde 2007, o já atingiu um público superior a 60 mil espectadores em mais de 450 sessões gratuitas realizadas em comunidades de São Paulo. A iniciativa busca democratizar o acesso ao cinema nacional e divulgar os filmes produzidos no Brasil. Foram exibidos na tela do CineB mais de 100 longas-metragens e 69 curtas-metragens, além da realização de pré-estreias exclusivas.

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado.